27 janeiro 2013

Os Magos – Lev Grossman





Boa noite pessoal!

Para o post de hoje eu preferi variar um pouco mais, por isso escolhi um livro de fantasia que li há bem pouco tempo para resenhar.

O livro “Os Magos” de Lev Grossman tem uma história muito diferente e interessante, apesar de manter inúmeras referências a outros livros de sucesso como Nárnia, Harry Potter, O Senhor dos Anéis e O Mágico de Oz.

Ele nos conta sobre Quentin Coldwater, o típico garoto nerd, tímido e inteligente, com um incomum interesse por truques de mágica e que entraria em uma universidade de ponta como Princeton, se não fosse por um único detalhe: no dia de sua entrevista para a faculdade, o entrevistador é encontrado morto.

Quentin recebe então um envelope com o original do sexto livro de Fillory (série baseada em Nárnia onde cinco irmãos conhecem uma terra mágica onde podem viver muitas aventuras salvando esse mundo encantado da figura da Relojoeira com a ajuda dos carneiros guardiões Ember e Umber), o que era muito estranho porque só existiam cinco livros e todos já publicados! A partir daí uma sucessão de coisas mais estranhas ainda vão acontecendo. Primeiro ele abre o caderno e uma pequena folha dobrada sai voando em direção a um jardim comunitário mal cuidado e dominado pelo mato, depois ele caminha e se embrenha tanto no meio de arbustos e ervas daninhas que já era para ter cruzado o jardim e chegado a algum lugar, e por fim, ele de fato chega a algum lugar, mas com certeza não é mais o Brooklyn.

Através de um portal, o jovem Coldwater chega a Brakebills, uma das universidades de magia espalhadas pelo mundo. Localizada às margens do rio Hudson, em Nova York, essa é uma faculdade exclusiva, escondida dos olhos de curiosos e quase impossível de localizar, onde somente as pessoas escolhidas que passarem no teste podem estudar.

Não é preciso dizer que Quentin passou na prova e que os seus truques de mágica escondiam mais coisas que nem ele mesmo sabia. Mas é aí que as coisas começam. Como um bom fã de fantasia e de Fillory, a surrealidade do que está acontecendo com ele não é absolutamente nada. Pelo contrário, ele finalmente acredita que está no lugar certo.

Ao longo do livro esse aprendiz de mago vai fazer algumas poucas amizades, e aprender que magia não tem absolutamente nada a ver com apontar uma varinha e dizer algumas palavras mágicas. É claro que muitas coisas vão acontecer como a temerosa visita da Criatura, e a incrível descoberta de que Fillory não é nada ficcional.

É inegável que o texto de Lev Grossaman é impecável. Embora algumas passagens do livro tenham se arrastado um pouco, no geral o livro é muito gostoso de ler. Como eu coloquei logo no início, o autor se baseia muito em ficções de grande sucesso, principalmente em Nárnia, que parece ser a base de Fillory e de toda sua história.

No entanto é bom avisar que quem for ler esperando encontrar uma nova versão de Harry Potter não vai encontrar nenhuma semelhança além de um garoto que foi estudar em uma escola de magia. No restante a história é muito diferente e bastante original.

Acho relevante colocar também que apesar de ser um livro da fantasia baseado em outros do mesmo gênero e direcionados ao público infanto-juvenil, “Os Magos” não é uma leitura leve e inocente. Não que seu conteúdo seja inapropriado ou ‘pesado’, basta saber que o livro é sobre um jovem nerd que se torna mago e que carrega muita inquietação dentro de si. É sobre essa inquietação que o livro gira, de certa forma.

Quentin nunca está contente. Quando vive no mundo ‘normal’ ele acha que não pertence a ele, vive melancólico e infeliz, recorrendo aos livros de Fillory como um obsessivo recorre ao seu objeto de obsessão. No entanto é de esperar que ela vá ficar feliz estudando em Brakebills e fazendo parte de algo importante, mas não. Ele sempre vive inquieto, infeliz com o que está vivendo, criando expectativas grandes demais para o próprio contentamento.

O livro é ótimo, a história é fantástica! Mas tenha paciência ao longo da leitura, porque em alguns momentos você vai se pegar fechando o livro e pensando: o que há de errado com ele! Mas continue lendo, conhecendo os outros personagens, unindo as peças soltas da história, que eu tenho quase certeza que você vai gostar.

Não deixe de ler esse livro, até porque vá foi lançada a sequência dele: “O Rei Mago”, que vai trazer muito mais aventura, além de esclarecer algumas pontas soltas que ficaram do primeiro livro.

Boa leitura e até o próximo post!

8 comentários:

  1. Gostei da resenha, mas o livro não faz meu tipo... não sei se leria, mas "nunca diga nunca", rsrsrs.
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, a gente nunca pode dizer que não vai ler, até porque eu já cometi esse erro e acabei voltando atrás... rsrs
      Bjos

      Excluir
  2. Adorei a Capa do livro , muito lindaaa! otima resenhaaa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!!!!
      A capa é muito bonita mesmo. Pra ser sincera foi a primeira coisa que me chamou a atenção, mais até que o título! Rsrsrsrsrs

      Excluir
  3. O nome já me chamou, agora tua resenha completou minha vontade de lê-lo! haha Estou seguindo seu blog, caso quiser dar uma passada no meu, ficaria feliz ;D

    Livráticos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amanda!
      O livro vale muito a pena sim! E depois tem a sequência dele que parece ser melhor que o primeiro!
      Logo, logo vou postar a resenha dele.

      Excluir
  4. Olá, você foi 'tagueado' para uma entrevista por mim, confira o post> http://umdelirioliterario.blogspot.com.br/2013/02/entrevista.html

    ResponderExcluir
  5. Já tá na minha lista e sua resenha aumentou a vontade de lê-lo.

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo (a) e comente à vontade, mas lembre-se que opinião é algo individual e particular, portanto não deve ser imposta!